Busca:
home
linha
institucional
História da Câmara
Legislaturas
Funcionários
Ordem do dia
linha
vereadores
Galeria de Presidentes
Mesa diretora
Comissões
Vereadores
Fale Conosco
linha
Servi�os
Moções
Diário Eletrônico
Tramitação de Projetos
TV Web
Licitações
Legislação Municipal
Prestação de Contas
Notícias
Agenda
Requerimento
Indicações
linha
congonhas
História
Arte Religiosa
Lazer
Mestre Aleijadinho
Barão de Paraopeba
Barão de Eschwege
Os Profetas
Passos da Paixão de Cristo
Barão de Congonhas
Arcebispo Dom Silvério
Cônego Luís Vieira
Zé Arigó
Festas
Hino
Símbolos Municipais
Notícias
linha
Home / Serviços / Notícias
seta
Votação do Sistema de Cultura está prevista para este ano
Votação do Sistema de Cultura está prevista para este ano

Fonte: ALMG

 

O Projeto de Lei (PL) 4.450/17, do governador Fernando Pimentel, que institui o Sistema Estadual da Cultura, o Sistema de Financiamento à Cultura e a Política Estadual de Cultura Viva, deve ser votado pelo Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) ainda neste ano. A proposição consolida a implantação do Plano Estadual de Cultura, instituído pela Lei 22.627, de 2017, e sua aprovação é aguardada por artistas e investidores.

 

A notícia foi dada pelo líder de Governo, deputado Durval Ângelo (PT), durante audiência pública da Comissão de Cultura nesta sexta-feira (10/11/17). O parlamentar afirmou que a Assembleia também deverá encontrar uma solução, por meio de emenda, para os projetos culturais que foram aprovados neste ano para a captação de recursos de incentivo.

 

O fato é que a Lei 17.615, de 2008, que dispõe sobre a concessão de incentivo fiscal com o objetivo de estimular a realização de projetos culturais no Estado, foi alterada para estabelecer regras que expiraram em 31 de dezembro de 2016.

 

O PL 4.450/17, que reformula essas regras, só poderá ser transformado em lei em 2018 e, por isso, os trabalhos aprovados em 2017 estão descobertos pela legislação vigente e nem podem ser incluídos nas normas que ainda não vigoram.

 

O secretário e Estado de Cultura, Angelo Oswaldo, disse que o governo disponibiliza R$ 92 milhões em renúncia fiscal para os investidores. Pela atual legislação, os investidores podem aplicar em projetos culturais, 80% dos tributos que devem ao Estado e patrocinar o restante com recursos próprios. As regras de transição escalonaram os percentuais de contrapartida, variando de 95% a 99% a renúncia fiscal.

 

A proposta do PL 4.450/17 é inovar nos critérios de captação de recursos, para estimular o fomento de projetos considerados de menor poder de atração comercial. Dessa forma, a obrigatoriedade de contrapartida das empresas pode variar de 0,5% a 25%, conforme o perfil do projeto patrocinado.

 

O projeto aguarda análise de 1º turno da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária, para seguir para o Plenário.

 

Inovações do PL são elogiados

 

O presidente da Comissão de Cultura, deputado Bosco (Avante), ressaltou o avanço representado pela instituição do Plano Estadual de Cultura em Minas e as inovações propostas pelo PL 4.450/17 especialmente para ampliar a possibilidade de atrair mais investidores para o setor.

 

“Não se faz cultura sem recursos. A maior dificuldade é captar dinheiro para o setor”, afirmou o deputado. Uma de suas sugestões é assegurar verbas orçamentárias do Estado e nos municípios.

 

Na opinião do secretário Angelo Oswaldo, é fundamental estabelecer os novos marcos da cultura em Minas, sobretudo diante da atual situação do País. “Estamos num momento, no nível nacional, de desconstrução desses marcos”, advertiu. O secretário disse que o fundo federal de cultura está desativado, daí a importância de um compromisso do governo estadual com o segmento.

 

Segundo o secretário, o fundo estadual de cultural tem apresentado recordes de destinação de recursos nos últimos três anos, passando de R$ 7,5 milhões, em 2015, para R$ 11,5 milhões ano passado.

 

FEC - Outra inovação do PL 4.450/17 é ampliar a participação dos investidores privados na composição do Fundo Estadual de Cultura (FEC), que democratiza a destinação dos recursos. Além de destinar a parte não isenta do imposto para o FEC, o investidor também complementará o repasse com um percentual sobre o valor da renúncia fiscal.

 

O ex-ministro da Cultura e atual secretário municipal de Cultura de Belo Horizonte, Juca Ferreira, concordou que dessa forma a iniciativa privada também exerce seu papel social no estímulo à cultura.

 

Juca Ferreira lembrou que, pelas regras atuais, o incentivo é controlado pelo investidor, que sempre escolhe projetos com mais retorno comercial. "Cria quase um apartheid cultural na sociedade. O papel do poder público é apresentar um plano de inclusão cultural", defendeu.

 

Projeto atende à legislação federal

 

O superintendente de Fomento e Incentivo à Cultura da Secretaria de Estado de Cultura, Felipe Rodrigues Amado Leite, explica que o projeto de lei segue as orientações da Lei Federal 12.343, de 2010, que contém o Plano Nacional de Cultura.

 

Segundo ele, a proposta é incorporar todos os instrumentos de financiamento de cultura e inserir novos, como destinação de recursos da Loteria Mineira, para aumentar o FEC e redistribuir de maneira mais democrática as verbas entre as regiões e as diferentes manifestações artísticas. “Só com essa medida, a arrecadação do fundo deve triplicar imediatamente”.

 

O projeto prevê o repasse de 25% da arrecadação para os municípios, na modalidade fundo a fundo. Por isso, é necessário que as prefeituras instituam seus fundos municipais.

 

Felipe Amado afirma que o objetivo é ampliar a capacidade de captação de recursos e de fomento do setor. Atualmente, dos 2,1 mil projetos aprovados pela lei de incentivo, menos de 300 conseguiram captar os recursos no mercado.

 

As novidades também agradaram a atriz Magdalena Rodrigues, presidente do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado de Minas Gerais (Sated-MG) e vice-presidente do Conselho Estadual de Política Cultural (Consec). Ela acredita que, com as alterações, os pequenos produtores terão mais oportunidade de financiamentos.

 

Retomada – Os participantes lamentaram o que consideraram retrocesso da política nacional para cultura e o avanço de grupos e manifestações conservadoras no Brasil, especialmente no setor da arte. “Nesse momento de atraso e tensão, a cultura tem uma palavra especial: pode ser uma ponte para trazer uma mudança de mentalidade”, resumiu Durval Ângelo.

topo
voltar
linha
CÂMARA MUNICIPAL DE CONGONHAS
Rua Dr. Pacífico Homem Júnior, 82, Centro - Fone: (31) 3731-1840
Why Digital - 2009
Congonhas - Minas Gerais - Brasil
congonhas@camaracongonhas.mg.gov.br