Busca:
home
linha
institucional
História da Câmara
Legislaturas
Funcionários
Ordem do dia
linha
vereadores
Galeria de Presidentes
Mesa diretora
Comissões
Vereadores
Fale Conosco
linha
Servi�os
Moções
Diário Eletrônico
Tramitação de Projetos
TV Web
Licitações
Legislação Municipal
Prestação de Contas
Notícias
Agenda
Requerimento
Indicações
linha
congonhas
História
Arte Religiosa
Lazer
Mestre Aleijadinho
Barão de Paraopeba
Barão de Eschwege
Os Profetas
Passos da Paixão de Cristo
Barão de Congonhas
Arcebispo Dom Silvério
Cônego Luís Vieira
Zé Arigó
Festas
Hino
Símbolos Municipais
Notícias
linha
Home / Serviços / Notícias
seta
Revogação de emenda dos gastos é salvação para universidades
Revogação de emenda dos gastos é salvação para universidades

Fonte: ALMG

 

A revogação da emenda constitucional 95, que impõe o congelamento de investimentos públicos por 20 anos, é a única solução para evitar o fechamento das universidades públicas brasileiras já no ano que vem. A defesa foi feita por deputados, reitores, professores e estudantes que participaram, nesta quinta-feira (9/11/17), de audiência pública da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Na reunião, também foi lançada a Frente Parlamentar em Apoio aos Institutos Federais e às Universidades Federais, capitaneada pelo deputado Cristiano Silveira (PT), que solicitou a audiência.

 

Os participantes foram unânimes em sugerir a mobilização de toda a sociedade para resistir e impedir o desmonte das instituições. “Sem educação pública de qualidade, não teremos mão de obra qualificada, não teremos iniciativas empreendedoras e não teremos pesquisas para agregação de valor (aos produtos)”, advertiu Cristiano Silveira.

 

Segundo o deputado, os investimentos no ensino superior já sofreram cortes de mais de R$ 4 bilhões pelo atual governo e algumas universidades estão recebendo até 30% a menos nos repasses de recursos. O congelamento dos investimentos, na opinião do parlamentar, vai impedir a criação de novos cursos, abertura de vagas, bolsas de pesquisa e, ainda, comprometer carreira dos servidores.

 

O deputado Rogério Correia (PT) afirmou que a redução de acesso ao financiamento estudantil está afetando, também, instituições particulares. “Há no Brasil um evidente sucateamento da escola pública. Já existe projeto propondo que o ensino universitário seja todo pago. Estão se desmanchando os direitos sociais”, lamentou.

 

“Se a emenda constitucional 95 não for revogada, vamos comprometer duas gerações”, alertou o deputado federal Reginaldo Lopes (PT/MG), coordenador da Frente Parlamentar em Defesa dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia da Câmara dos Deputados. Ele apresentou uma proposta de emenda à Constituição para tentar anular a medida.

 

Reginaldo Lopes afirmou que 173 campi estão em construção no país, 36 já estão prontos mas não têm nenhum funcionário e não há garantia de recursos para que essas instituições possam funcionar. “Tem que haver um movimento político a favor da educação no Brasil”.

 

Reitores lamentam retrocesso

 

Reitores presentes à audiência pública lamentaram o retrocesso que está sendo imposto à educação pelo atual governo. Todos afirmaram que nos governos de Lula e Dilma houve avanços consideráveis, agora comprometidos pelo congelamento de investimentos e redução de gastos nas instituições.

 

O reitor do Instituto Federal Sul de Minas (Ifsuldeminas), Marcelo Bregagnolli, representante do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, afirmou que de 2010 a 2016, saltou de 400 mil para quase 900 mil o número de vagas nas 644 unidades espalhadas pelo país. Em Minas Gerais, cinco institutos federais e o Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG) fazem parte da rede, oferecendo 40 mil vagas de ensino técnico, 17 mil superior e 2,8 de cursos de pós-graduação.

 

Bregagnolli disse que as escolas são responsáveis por 1,5 mil projetos de pesquisa e mais de 9 mil cursos oferecidos, que podem ser interrompidos pela falta de recursos. No último ano, os investimentos nessas escolas caiu de cerca de R$ 1 bilhão, para R$ 300 milhões. “Isso compromete a expansão e a consolidação de nossas unidades”.

 

Paulo Márcio de Faria e Silva, reitor da Universidade Federal de Alfenas (Unifal) e representante da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), disse que as 63 universidades federais são responsáveis por 55% de toda a formação de mestres e doutores no país.

 

De acordo com Paulo Márcio, 80% das pesquisas científicas, tecnológicas e de inovação são feitas nessas universidades. Ele afirmou que na última década, os avanços de investimentos no ensino superior permitiu que o Brasil passasse da 23ª posição, para a 13ª em produção de conhecimento científico no mundo. Também ressaltou o processo de inclusão social nas universidades na última década. Atualmente, 60% dos alunos são oriundos de famílias com renda de até dois salários mínimos.

 

O reitor lamentou que o governo federal destina 39% do orçamento do tesouro para pagamento de dívida e apenas 4% para o Ministério da Educação. Segundo ele, os recursos destinados às instituições cairam de R$ 44 milhões, em 2015, para R$ 38 milhões este ano. “A política atual não reconhece a importância estratégica da universidade” - criticou.

 

Ângela Maria Carrato Diniz, diretora de Comunicação e Política do Sindicato dos Professores das Universidades Federais de Belo Horizonte, Montes Claros e Ouro Preto (Apubh), disse que o recuo nos investimentos está causando perplexidade e indignação nos profissionais das instituições. Advertiu que caso o orçamento previsto para o próximo ano seja aprovado, a UFMG não terá como funcionar em 2018. “Resistir é necessidade de vida dou morte para nós”.

 

Mobilização nacional – Um dos coordenadores da Federação Nacional dos Estudantes em Ensino Técnico (Fenet), José Palheta Junior, sugeriu uma caravana pelo interior para a realização de audiências públicas e mobilização da sociedade em defesa das instituições federais.

topo
voltar
linha
CÂMARA MUNICIPAL DE CONGONHAS
Rua Dr. Pacífico Homem Júnior, 82, Centro - Fone: (31) 3731-1840
Why Digital - 2009
Congonhas - Minas Gerais - Brasil
congonhas@camaracongonhas.mg.gov.br