Busca:
home
linha
institucional
História da Câmara
Legislaturas
Funcionários
Ordem do dia
linha
vereadores
Galeria de Presidentes
Mesa diretora
Comissões
Vereadores
Fale Conosco
linha
Servi�os
Moções
Diário Eletrônico
Tramitação de Projetos
TV Web
Licitações
Legislação Municipal
Prestação de Contas
Notícias
Agenda
Requerimento
Indicações
linha
congonhas
História
Arte Religiosa
Lazer
Mestre Aleijadinho
Barão de Paraopeba
Barão de Eschwege
Os Profetas
Passos da Paixão de Cristo
Barão de Congonhas
Arcebispo Dom Silvério
Cônego Luís Vieira
Zé Arigó
Festas
Hino
Símbolos Municipais
Notícias
linha
Home / Serviços / Notícias
seta
Barragem da CSN em Congonhas é propensa ao rompimento segundo oficial do Corpo de Bombeiros
Barragem da CSN em Congonhas é propensa ao rompimento segundo oficial do Corpo de Bombeiros

Fonte: Estaminas

 

A preocupação com a estabilidade da Barragem Casa de Pedra, que passa por obras para prevenir a ameaça de um rompimento que afetaria milhares de pessoas, em uma catástrofe sem precedentes na cidade histórica de Congonhas, na Região Central de Minas, fez com que a prefeitura local organizasse um plano emergencial que será colocado em prática dentro de 16 dias, no próximo 26 de novembro. A situação não mobiliza apenas a administração municipal: ontem, o Estado de Minas mostrou que a apreensão com a estrutura operada pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) é tão grande que levou o governo mineiro a criar, sigilosamente, um grupo de ação emergencial para tratar da questão. 

 

Documentos obtidos pela reportagem mostram que esse gabinete é formado especialmente por Corpo de Bombeiros, Coordenadoria Estadual de Defesa Civil e Polícia Militar. A missão é intervir no salvamento de pessoas em caso extremo e capacitar a comunidade, independentemente de providências da empresa. O próprio comandante dos Bombeiros na região, capitão Ronaldo Rosa de Lima, classifica a represa de rejeitos como “propensa a rompimento”, o que tem levado a corporação a cobrar medidas da CSN e dos órgãos de defesa civil.

 

“Não há risco iminente, mas essa é uma barragem propensa ao rompimento. Sobretudo agora, com a chegada da estação de chuvas”, define o comandante dos Bombeiros, referindo-se a previsões climáticas como as do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), que desenham um mês de novembro com chuvas intercaladas para a região, inclusive nesta semana. “Essa situação nos preocupa muito, pois a barragem está muito próxima da comunidade”, admite o oficial. O número de pessoas em risco, que inicialmente foi estimado em 1.500, mais que triplicou após levantamentos mais detalhados, chegando a 4.688, de acordo com a prefeitura local.

 

“Seria catastrófico um rompimento, sobretudo do Dique de Sela”, afirma o oficial, citando uma das estruturas da Barragem Casa de Pedra, que contém 9,2 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro e se eleva a cerca de 80 metros sobre o município de Congonhas (veja mapa). O dique a que o bombeiro se refere se apoia em estruturas montanhosas, e foi exatamente nesse ancoramento que o aparecimento de infiltrações ou “surgências”, como são definidas tecnicamente, obrigou a empresa a adotar obras de emergência. Por causa dessa situação, o MP e o Ministério do Trabalho cobram explicações e ações da mineradora, que chegou a ter as atividades no barramento interditadas, em 11 de outubro deste ano. Ontem, operários chegaram a suspender os trabalhos, apreensivos com a falta de informações sobre a segurança no canteiro de obras, mas foram convencidos por dirigentes da mineradora a retomar seus postos.

 

De acordo com laudo do Centro de Apoio Técnico do MP, ao qual o EM teve acesso, as surgências são fortes indicadores de que o represamento “apresenta infiltrações ou fraturas”, que podem evoluir para um rompimento caso nada seja feito. Nesse mesmo relatório, o fator de estabilidade da barragem apresentado foi de 1,3, abaixo do nível exigido pela legislação, de 1,5, segundo o MP. A CSN afirmou, ontem, que a barragem não corre risco de rompimento e que esse fator já foi superado, chegando a 1,6 e a 1,7, levando-se em consideração os dois lados da barragem.

 

O relatório do Ministério Público também critica a falta de um plano emergencial satisfatório em caso de desastre. Devido à deficiência, um plano acabou sendo elaborado pela Prefeitura de Congonhas. Providência semelhante vinha sendo ensaiada pelo grupo de trabalho criado veladamente pelo estado. A CSN sustenta que tem aprimorado seu plano emergencial e que instalou duas das cinco sirenes que seriam necessárias segundo compromisso firmado com o MP. “No dia 26, vamos fazer um simulado, um exercício com a comunidade, que é necessário em todo tipo de empreendimento de risco, como a operação de uma barragem ou de um tanque de petróleo”, compara o gerente-geral de Sustentabilidade da CSN, Eduardo Sanches. De acordo com ele, as obras na barragem devem terminar ainda neste mês.

 

MAIS ALTURA Outro programa polêmico da empresa é o de alteamento da barragem, para mais 11 metros de altura, que foi licenciado e deve ser retomado em breve. “Os problemas de surgências que ocorreram no Dique de Sela da barragem se desenvolveram devido ao proprietário de um terreno vizinho ter barrado a água de um córrego e formado um lago”, argumentou o gerente Eduardo Sanches. O Ministério Público, que fiscaliza as condições no complexo da CSN, não tem tanta certeza. Ao EM, o promotor de Justiça Vinícius Alcântara Galvão disse anteontem que foi pedido à mineradora que apresente estudos, principalmente em relação à qualidade do solo. Até o próximo dia 30, os levantamentos geotécnicos e geológicos devem ser entregues para avaliação dos peritos da Central de Apoio Técnico do órgão. “Só então o MP terá condições de afirmar se a barragem é ou não segura”, pontuou.

topo
voltar
linha
CÂMARA MUNICIPAL DE CONGONHAS
Rua Dr. Pacífico Homem Júnior, 82, Centro - Fone: (31) 3731-1840
Why Digital - 2009
Congonhas - Minas Gerais - Brasil
congonhas@camaracongonhas.mg.gov.br