Busca:
home
linha
institucional
História da Câmara
Legislaturas
Funcionários
Ordem do dia
linha
vereadores
Galeria de Presidentes
Mesa diretora
Comissões
Vereadores
Fale Conosco
linha
Servi�os
Moções
Diário Eletrônico
Tramitação de Projetos
TV Web
Licitações
Legislação Municipal
Prestação de Contas
Notícias
Agenda
Requerimento
Indicações
linha
congonhas
História
Arte Religiosa
Lazer
Mestre Aleijadinho
Barão de Paraopeba
Barão de Eschwege
Os Profetas
Passos da Paixão de Cristo
Barão de Congonhas
Arcebispo Dom Silvério
Cônego Luís Vieira
Zé Arigó
Festas
Hino
Símbolos Municipais
Notícias
linha
Home / Serviços / Notícias
seta
Saúde quer otimizar recursos e área social tem novo programa
Saúde quer otimizar recursos e área social tem novo programa

Fonte: ALMG

 

Assim como ocorreu este ano, o planejamento do governo estadual para a saúde em 2018 não deve priorizar investimentos em obras de grande vulto e em equipamentos. Ao mesmo tempo, o Executivo pretende estabelecer indicadores hospitalares para nortear gastos com o setor, conforme apontaram nesta terça-feira (31/10/17) gestores da área de saúde do Estado.

 

Eles participaram do segundo dia do encontro estadual da Discussão Participativa do Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG) 2017-2019 – Revisão 2018, realizado pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), que tratou ainda de programas e ações nas áreas de assistência social e segurança alimentar e de trabalho, emprego e renda.

 

Os trabalhos serão retomados na próxima segunda-feira (6), com a discussão de outras temáticas até a quinta-feira (9). O objetivo é coletar sugestões da sociedade à revisão do PPAG, plano que organiza os programas e ações governamentais para um período de quatro anos e que passa por adequações anuais ao Orçamento.

 

"Quanto à nossa rede, estamos tomando providências para prosseguir com intervenções que já constam do planejamento do governo, isso para que obras maiores sejam concretizadas na saúde quando a situação financeira do Estado melhorar", pontuou a assessora da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Karina Andrade .

 

Ela fez coro às dificuldades apontadas já na abertura dos trabalhos pelo representante da Secretaria de Estado do Planejamento e Gestão (Seplag), Leandro Cesar Pereira, que enalteceu a discussão participativa do PPAG, ao mesmo tempo em que apresentou dados sobre o desequilíbrio orçamentário do Estado, cujo déficit para 2018 está estimado em R$ 8,2 bilhões.

 

Diante desse cenário, a representante da Fhemig expôs que muitas das unidades da rede precisariam de grandes reformas por se tratarem de construções antigas, mas descartou investimentos nessa direção. O que haverá, apontou, é a continuidade de esforços para melhorar o atendimento nas unidades.

 

João XXIII - Entre esforços do governo, foram mencionados exemplos de resultados para 2018, como a criação de um laboratório de função pulmonar no Hospital Júlia Kubitschek e de melhorias no Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII, ambos em Belo Horizonte.

 

O objetivo quanto ao João XXIII é dar continuidade ao encaminhamento de ações emergenciais relativas à melhoria da rede elétrica, instalação de caldeira, conclusão de trabalho para a prevenção de incêndio, recuperação de telhado, compra de monitores e de camas. Um grupo de trabalho já teria sido formado para tratar da compra da caldeira necessária à unidade, conforme registrou Karina.

 

Doações - Outro resultado esperado para 2018 é a implantação de um sistema de organização de procura e de captação de órgãos para transplantes, de forma a incrementar em 10% a captação de órgãos. Foi citado, entre outros, que o Complexo MG Transplantes registrou este ano o desabastecimento de tecidos oculares, o que provocou aumento da fila de candidatos a transplantes de córnea.

 

Gestora diz que indicador pode racionalizar gastos

 

A superintendente de Redes de Atenção à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Lara Valadares, também frisou que a prioridade é a manutenção das redes, juntamente com esforços para tornar possível a estruturação de uma política hospitalar baseada na construção de indicadores.

 

"A ideia é que se tenha coeficientes regionais que aumentem a eficiência do gasto em cenário de crise, levando em conta por exemplo o papel de cada unidade em sua micro e macrorregião, suas especialidades e abrangência", explicou ela.

 

Segundo Lara, dos 488 hospitais que essa política em estudo abrangeria, entre públicos, privados e filantrópicos, 93% já teriam sido visitados visando à construção desses coeficientes.

 

Drogas - Por sua vez, a subsecretária de Política sobre Drogas da SES, Patrícia Magalhães, manifestou preocupação. "Até julho deste ano ultrapassamos nossas metas, mas, para 2018, nosso orçamento foi diminuído sobretudo no acolhimento, o que inviabiliza a política", alertou ela.

 

Segundo a subsecretária, ações já contratadas por meio de editais finalizados este ano somam R$ 8 milhões, R$ 3 milhões a mais do que os R$ 5 milhões previstos na revisão do PPAG para 2018. "Isso num momento em que havíamos solicitado R$ 14 milhões para um novo edital de rede suplementar que seria necessário", contrapôs Patrícia.

topo
voltar
linha
CÂMARA MUNICIPAL DE CONGONHAS
Rua Dr. Pacífico Homem Júnior, 82, Centro - Fone: (31) 3731-1840
Why Digital - 2009
Congonhas - Minas Gerais - Brasil
congonhas@camaracongonhas.mg.gov.br