Busca:
home
linha
institucional
História da Câmara
Legislaturas
Funcionários
Ordem do dia
linha
vereadores
Galeria de Presidentes
Mesa diretora
Comissões
Vereadores
Fale Conosco
linha
Servi�os
Moções
Diário Eletrônico
Tramitação de Projetos
TV Web
Licitações
Legislação Municipal
Prestação de Contas
Notícias
Agenda
Requerimento
Indicações
linha
congonhas
História
Arte Religiosa
Lazer
Mestre Aleijadinho
Barão de Paraopeba
Barão de Eschwege
Os Profetas
Passos da Paixão de Cristo
Barão de Congonhas
Arcebispo Dom Silvério
Cônego Luís Vieira
Zé Arigó
Festas
Hino
Símbolos Municipais
Notícias
linha
Home / Serviços / Notícias
seta
Mudança de royalty das mineradoras terá parecer até dia 17
Mudança de royalty das mineradoras terá parecer até dia 17

Fonte: ALMG

 

Até 17 de outubro, o deputado federal Marcus Pestana (PSDB/MG) vai apresentar seu parecer à Medida Provisória (MP) 789, de 2017, que altera a alíquota e a base de cálculo da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem), o royalty cobrado das mineradoras.

 

Relator da medida em comissão mista no Congresso Nacional, o parlamentar foi ouvido sobre o assunto nesta segunda-feira (2/10/17), em audiência da Comissão de Minas e Energia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

 

“Estamos há 15 dias da apresentação do relatório e temos que gerar uma solução até lá. Minha intenção é agir com foco, transparência e diálogo”, frisou o relator quanto às divergências  entre prefeitos de cidades mineradoras, de um lado, e empresas, de outro, provocadas pela MP 789.

 

Atualmente, a Cfem corresponde a 2% do faturamento líquido das empresas mineradoras. Já a MP define a receita bruta como base de cálculo para venda, com alíquotas variáveis de 0,2% a 4%, conforme o produto e, em alguns casos, conforme o mercado, a exemplo do minério de ferro, que depende da cotação internacional. No caso de consumo, as alíquotas incidirão sobre a receita calculada.

 

As prefeituras defendem uma alíquota única, de 4%, sobre o faturamento bruto. Ao passo que as mineradoras querem manter o faturamento líquido como base de cálculo alegando que a nova forma onera o setor.

 

Pará - Defendendo um equilíbrio entre os dois lados, o relator anunciou que, antes de concluir seu parecer, ainda vai ao Pará, estado que hoje disputa com Minas Gerais a liderança nacional no segmento. "Toda mudança de regras assusta. Vou fazer o parecer ouvindo a todos", frisou.

 

A expectativa do relator é a de que a votação do parecer na comissão mista ocorra até 24 de outubro. Depois disso, a matéria deverá seguir ainda à análise e votação dos plenários da Câmara e do Senado. O prazo regimental para a votação final da MP é 28 de novembro.

 

Sensibilidade - Por sua vez, o presidente da comissão e autor do requerimento da audiência, deputado João Vítor Xavier (PSDB), manifestou ter convicção da representatividade de Minas Gerais na análise da matéria por ser o deputado federal pelo Estado o relator da MP.

 

“Será preciso sensibilidade para que empresários competentes continuem trabalhando e dando lucro, mas, ao mesmo tempo, diminuindo um déficit enorme que a atividade tem para com os municípios mineradores", defendeu João Vitor Xavier.

 

Ele avaliou como “exorbitantes” os lucros das mineradoras e afirmou que, ainda assim, as cidades mineradoras viveriam hoje dificuldades de toda ordem, como aumento da violência e falta de escolas, de postos de saúde, de asfalto e de assistência social.

 

Para ministério, fiscalização será facilitada

 

O representante do Ministério das Minas e Energia, Fernando Ramos Nóbrega, justificou o teor da MP 789 afirmando que o faturamento bruto adotado como base de cálculo é de mais fácil apuração, facilitando a fiscalização.

 

"O segmento reclama que a base foi inflada, mas as alíquotas praticamente foram mantidas, com alterações pontuais", argumentou ele, para quem a cobrança tende a ser mais justa, sobretudo para as pequenas empresas.

 

Nóbrega destacou que 65% do que é arrecadado com a Cfem vão para os municípios produtores. Ele se manifestou contrário a que esse bolo seja repartido, também, entre outros municípios impactados pela mineração, por exemplo aqueles por onde passam minerodutos e ferrovias, como chegou a ser cogitado.

 

Segundo ele, a apuração desses parâmetros seria impossível, além de que a divisão resultaria, segundo ele, em repasses de valores irrisórios para os municípios em geral. Além da parte que cabe às cidades mineradoras, o restante da Cfem vai para a União (12%) e para o Estado (23%).

 

Produtores discordam de base de cálculo

 

Para o diretor do Sindicato da Indústria Mineral do Estado de Minas Gerais (Sindiextra), Cristiano Monteiro Parreiras, os impactos da MP precisam de maior discussão.

 

Ele avaliou que a medida provisória não traz nenhum incentivo à agregação de valor, gerando situações que classificou como estranhas, como a de produtores de aço que adquiriram minas no Estado e que passarão a ter que seguir um modelo que vai onerar o aço em Minas. “Esse é um ponto crucial”, sinalizou.

 

Segundo Parreiras, a adoção do faturamento bruto faz com que entrem para a base de cálculo da Cfem componentes que não estão diretamente relacionados à produção, como fretes e tarifas portuárias. Segundo ele, essa alteração pode inviabilizar sobretudo os menores produtores, já que mais de 60% do custo do minério seriam referentes a despesas com fretes, que até então não impactavam a Cfem.

 

Além desses pontos, o sindicato solicitou que seja revista a alíquota sobre o fosfato, por ser item importante para o agronegócio mineiro.

 

“Precisamos de uma MP que não retire a competividade dos maiores produtores no mercado internacional e não asfixie os pequenos com um aumento desmedido da base de cálculo”, frisou.

 

Municípios contestam empresas

 

Dados da indústria quanto à base de cálculo da Cfem foram contestados por representantes da Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais (Amig). Conforme a entidade, o peso do frete no custo da produção não chegaria a 5% do total.

 

Segundo o superintendente da entidade, Waldir Salvador, haveria falta de ética e pouca transparência de dados por parte das empresas mineradoras quando do recolhimento da Cfem, motivando, inclusive, ações judiciais questionando várias delas a respeito.

 

"Não queremos mais ser usurpados em nosso solo e subsolo. A Cfem deveria obrigatoriamente ser usada em diversificação de atividades e infraestrutura nos municípios, mas se deteriorou ao longo dos anos", afirmou ele.

 

Diálogo - O prefeito de Nova Lima (RMBH) e presidente da Amig, Vitor Penido, acrescentou que o segmento ainda tem a isenção de impostos como o ICMS. Se dizendo defensor da mineração como atividade importante para seu município e para o Estado, o prefeito criticou, porém, a condução da MP.

 

"As cidades mineradoras não foram sequer convidadas a sentar na mesa para discutir o assunto. Precisamos de ter acesso a números", cobrou o dirigente da entidade.

 

Em resposta às críticas quanto à transparência, o Sindiextra disse que os questionamentos feitos, seriam, na verdade, motivados pela complexidade da legislação brasileira, especialmente a tributária.

topo
voltar
linha
CÂMARA MUNICIPAL DE CONGONHAS
Rua Dr. Pacífico Homem Júnior, 82, Centro - Fone: (31) 3731-1840
Why Digital - 2009
Congonhas - Minas Gerais - Brasil
congonhas@camaracongonhas.mg.gov.br