Busca:
home
linha
institucional
História da Câmara
Legislaturas
Funcionários
Ordem do dia
linha
vereadores
Galeria de Presidentes
Mesa diretora
Comissões
Vereadores
Fale Conosco
linha
Servi�os
Moções
Diário Eletrônico
Tramitação de Projetos
TV Web
Licitações
Legislação Municipal
Prestação de Contas
Notícias
Agenda
Requerimento
Indicações
linha
congonhas
História
Arte Religiosa
Lazer
Mestre Aleijadinho
Barão de Paraopeba
Barão de Eschwege
Os Profetas
Passos da Paixão de Cristo
Barão de Congonhas
Arcebispo Dom Silvério
Cônego Luís Vieira
Zé Arigó
Festas
Hino
Símbolos Municipais
Notícias
linha
Home / Serviços / Notícias
seta
Teatro da Assembleia de portas abertas para a democracia
Teatro da Assembleia de portas abertas para a democracia

Fonte: ALMG

 

O ano era 1992. O dia, uma segunda-feira após a fracassada convocação do então presidente Fernando Collor de Mello, que era acusado de corrupção, para que a população vestisse verde e amarelo em apoio a seu governo. Num clima político agitado, que culminou com o afastamento do primeiro presidente democraticamente eleito no Brasil após o golpe militar de 1964, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) inaugurava o seu Teatro, um dos primeiros a funcionar dentro de uma casa legislativa.

 

Em 17 de agosto, na peça que inaugurou o palco do Teatro da Assembleia, os atores copiaram a população que foi às ruas na véspera e se vestiram de preto. Foi uma apresentação-protesto da peça “Ações Ordinárias”, que narrava a escusa relação entre empresas e políticos no caminho da corrupção. A atriz Elizabeth Savalla protagonizava o espetáculo e a indignação com o momento político do Brasil.

 

A política e a arte marcavam uma nova era. Belo Horizonte ganhava uma moderna sala de espetáculos que era também um espaço de aproximação com o trabalho parlamentar. “O Teatro começou bem sintonizado com a questão política do País”, lembra a servidora da ALMG e atriz Cláudia Bento, que acompanhou a implantação do espaço e hoje é sua gestora.

 

Legislativo mais próximo dos cidadãos

 

O então diretor-geral da ALMG, Dalmir de Jesus, explica que a implantação do espaço foi uma das estratégias estabelecidas pela Casa para aumentar a interação com os cidadãos. Segundo ele, o Poder Legislativo acabou se distanciando dos cidadãos durante a ditadura militar. “Com a abertura democrática, a Assembleia precisava se mostrar para a sociedade”, relembra.

 

Constatada essa necessidade, foi traçado um plano que abrangeu várias frentes, como a criação da Escola do Legislativo, a interiorização do trabalho das comissões e a abertura da Praça Carlos Chagas para o uso da população.

 

“A Assembleia tornou-se uma porta aberta para a sociedade. Além disso, havia muitos talentos artísticos e poucos espaços disponíveis, especialmente para os anônimos”, afirma Dalmir de Jesus.

 

O presidente da ALMG, deputado Adalclever Lopes (PMDB), também destaca a importância do espaço para a democracia e a cultura. "O Teatro da Assembleia, 25 anos depois de sua inauguração, continua cumprindo seu papel, trazendo a população para dentro do Parlamento e valorizando a cultura de Minas", ressalta.

 

Espaço para grandes nomes e jovens talentos

 

A consolidação do Teatro ficou a cargo de um trio de servidores da ALMG: Cláudia Bento, Luiz Carlos Moreira, o Ludovikus, e Edivaldo Cândido de Souza, conhecido como Dinho. Cláudia Bento lembra que o espaço foi inaugurado num momento em que a vida cultural brasileira passava por um movimento inverso: fechavam-se centros culturais para dar lugar a empreendimentos empresariais.

 

Com capacidade atual para 145 pessoas, incluindo três lugares para acomodar cadeiras de rodas, o local foi idealizado para ser um dos mais bem equipados de Belo Horizonte. Dinho, atual chefe de palco do Teatro, lembra que foram adquiridos os mais modernos equipamentos existentes. A mesa de luz, por exemplo, totalmente digital, foi a segunda do País – a outra estava no Teatro Nacional de Brasília.

 

Ele destaca também o tratamento acústico, que oferece qualidade de som para o artista e para o público. “O ator pode falar de costas, que é ouvido perfeitamente e não precisa elevar a voz”, diz Dinho. O técnico afirma que o espaço foi implantado com capacidade para abrigar qualquer tipo de espetáculo. “É o único da cidade que promove uma aproximação entre palco e plateia”, completa Ludovikus.

topo
voltar
linha
CÂMARA MUNICIPAL DE CONGONHAS
Rua Dr. Pacífico Homem Júnior, 82, Centro - Fone: (31) 3731-1840
Why Digital - 2009
Congonhas - Minas Gerais - Brasil
congonhas@camaracongonhas.mg.gov.br