Busca:
home
linha
institucional
História da Câmara
Legislaturas
Funcionários
Ordem do dia
linha
vereadores
Galeria de Presidentes
Mesa diretora
Comissões
Vereadores
Fale Conosco
linha
Servi�os
Moções
Diário Eletrônico
Tramitação de Projetos
TV Web
Licitações
Legislação Municipal
Prestação de Contas
Notícias
Agenda
Requerimento
Indicações
linha
congonhas
História
Arte Religiosa
Lazer
Mestre Aleijadinho
Barão de Paraopeba
Barão de Eschwege
Os Profetas
Passos da Paixão de Cristo
Barão de Congonhas
Arcebispo Dom Silvério
Cônego Luís Vieira
Zé Arigó
Festas
Hino
Símbolos Municipais
Notícias
linha
Home / Serviços / Notícias
seta
Projeto cria fundos estaduais de incentivo e de investimento
Projeto cria fundos estaduais de incentivo e de investimento

Fonte: ALMG

 

O Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) recebeu, na Reunião Ordinária desta terça-feira (4/4/17), mensagem do governador Fernando Pimentel encaminhando o Projeto de Lei (PL) 4.135/17, que cria os fundos estaduais de incentivo e de financiamento de investimento. 

 

A mensagem do governador explica que a proposição “pretende ampliar a disponibilização de recursos a serem aplicados no Estado”, buscando como resultado o desenvolvimento socioeconômico sustentável. A proposição será analisada pelas Comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e de Fiscalização Financeira e Orçamentária (FFO).

 

O PL 4.135/17 cria seis fundos estaduais: de Investimento (MG Investe), de Pagamento de Parcerias Público-Privadas (FPP), de Garantias de Parcerias Público-Privadas (FGP), de Créditos Inadimplidos e Dívida Ativa (Fecidat), de Ativos Imobiliários de Minas Gerais (Faimg) e de Investimentos Imobiliários (Fiimg).

 

De acordo com a mensagem do governador, o MG Investe tem por objetivo conceder financiamento para execução de projetos de implantação e expansão de empreendimentos, fornecimento de insumos, prestação de serviços, refinanciamento ou saneamento financeiro.

 

Também se destina a dar suporte para o produtor rural ou florestal e prestar garantias às obrigações pecuniárias contraídas pelo Estado em parcerias público-privadas (PPPs).

 

O MG Investe vai incorporar os patrimônios de outros fundos hoje existentes: o Fundo de Incentivo ao Desenvolvimento (FINDES), o Pró-Floresta, o de Desenvolvimento Regional do Jaíba o de de Equalização do Estado de Minas Gerais, passando a deter um saldo de empréstimos da ordem de R$ 800 milhões.

 

Entre suas fontes garantidas de recursos estão os dividendos e juros sobre capital próprio da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), no montante de 12,5% do Lucro Líquido, que representam em torno de R$ 100 milhões ano, ainda segundo o estudo. A previsão é que a partir do patrimônio de R$ 900 milhões, o fundo consiga alavancar os investimentos no Estado, na ordem de R$ 3 bilhões, já no próximo ano.

 

O FPP e o FGP desempenharão as funções programática e de garantia, respectivamente, para investimentos em infraestrutura e serviços de interesse do cidadão, além de instituir estrutura adequada para os empreendimentos público-privados de longo prazo.

 

De acordo com o estudo técnico, há uma demanda muito grande no Estado de investimento público que pode ser implementada com essa modalidade de financiamento de parceriapúblico-privada, como rodovias, presídios, dente outros. A previsão é de que como o FPP-MG deve ter nos próximos anos capacidade anual de pagamento na ordem de R$ 1 bilhão com as fontes previstas, pode-se com esse fundo e o com o FGP-MG estimular investimento da ordem de R$ 10 bilhões.

 

O Fecidat tem a finalidade de facilitar a gestão de ativos e receitas do Estado. Terá como ativo permanente os créditos de inadimplentes e seus recursos serão destinados a obras e serviços públicos; pagamento de despesas da operação de securitização; aporte financeiro para financiamento da previdência dos servidores públicos; aporte financeiro para os fundos de pagamento e de garantia das PPPs.

 

Atualmente, de acordo com o estudo de viabilidade técnica, o Estado de Minas Gerais detém um estoque de mais de R$ 63 bilhões de créditos da dívida ativa, que poderão ser melhor geridos no âmbito do Fedacit, uma vez que com os mecanismos previstos no fundo e com os incentivos criados pelo programa de regularização de créditos tributários, espera-se a possibilidade de captação de recursos, no curto e médio prazo, de R$ 5 bilhões, através desses dois fundos, já que o fluxo de recebimento será acelerado com esse programa. Assim o Fecidat deverá ser fonte de recursos para o FPP-MG e FGP-MG no financiamento das Parcerias Público-Privadas do Estado de Minas Gerais.

 

Imóveis – Outros dois fundos, Faimg e Fiimg, têm por objetivo permitir a gestão mais eficiente e o aproveitamento de recursos provenientes de imóveis do Estado, como por exemplo a Cidade Administrativa, que hoje não representam rendimento para os cofres públicos.

 

O primeiro fundo vai receber aluguéis desses imóveis e o segundo vai manter a propriedade sob o controle do Estado. Os dois fundos têm prazo de vigência de 50 anos.

 

O projeto prevê a incorporação de 6.367 imóveis a esses dois fundos. A estimativa é que os bens de uso do Estado possam gerar uma receita anual na ordem de R$ 600 a R$700 milhões com o pagamento de aluguel e assim permitir ao Estado captar, nos próximos anos, recursos na ordem de R$ 5 bilhões.

 

Esses recursos deverão ser usados no financiamento das PPPs, previstas nos fundos FPP-MG e FGP-MG, e na realização de obras públicas integrantes do Programa de Investimentos do Estado e previstos nos atuais Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI) e Plano Plurianual de Ação Govemamental (PPAG).

 

PPPs – O PL 4.135/17 também propõe a revogação da Lei 14.868, de 2003, que dispõe sobre o Programa Estadual de PPPs, uma vez que o regime geral que regulamenta essas parcerias foi estabelecido posteriormente pela Lei Federal 11.079, de 2004.

 

Tramitação – O Executivo solicita que o projeto tramite em regime de urgência, para que seja apreciado em até 45 dias. Esgotado esse prazo, o projeto será colocado na pauta do Plenário, com prioridade de análise sobre as demais proposições.

 

Oposição questiona projeto

 

Antes de encerrar a reunião, o líder da Minoria na ALMG, deputado Gustavo Valadares (PSDB), apresentou questão de ordem alegando inconstitucionalidade do PL 4.135/17. Segundo ele, a proposição viola o artigo 18 da Constituição do Estado, segundo o qual a alienação de imóvel estadual depende de avaliação prévia, autorização legislativa e licitação.

 

A oposição alega que alguns dispositivos do projeto poderiam favorecer a busca de uma autorização legislativa genérica para que um conjunto de 1.355 imóveis do Estado, que passarão a constituir parte dos recursos do Fiimg, sejam no futuro alienados para terceiros. Por isso, o líder da Minoria pediu que a Mesa da Assembleia não recebesse o PL 4.135/17.

 

Dada a urgência solicitada para o projeto, a oposição requer também que a questão de ordem apresentada seja avaliada com a máxima celeridade, antes mesmo que o projeto seja encaminhado à CCJ.

topo
voltar
linha
CÂMARA MUNICIPAL DE CONGONHAS
Rua Dr. Pacífico Homem Júnior, 82, Centro - Fone: (31) 3731-1840
Why Digital - 2009
Congonhas - Minas Gerais - Brasil
congonhas@camaracongonhas.mg.gov.br