Busca:
home
linha
institucional
História da Câmara
Legislaturas
Funcionários
Ordem do dia
linha
vereadores
Galeria de Presidentes
Mesa diretora
Comissões
Vereadores
Fale Conosco
linha
Servi�os
Moções
Diário Eletrônico
Tramitação de Projetos
TV Web
Licitações
Legislação Municipal
Prestação de Contas
Notícias
Agenda
Requerimento
Indicações
linha
congonhas
História
Arte Religiosa
Lazer
Mestre Aleijadinho
Barão de Paraopeba
Barão de Eschwege
Os Profetas
Passos da Paixão de Cristo
Barão de Congonhas
Arcebispo Dom Silvério
Cônego Luís Vieira
Zé Arigó
Festas
Hino
Símbolos Municipais
Passos da Paixão de Cristo
linha
Home / Congonhas / Passos da Paixão de Cristo

Iniciada em 1757, terminara há vinte anos a construção da igreja de Feliciano Mendes. O santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos estava pronto e sua decoração interna acabara de se completar com a execução dos painéis laterais da nave e capela-mor, pelo pintor João Nepomuceno Ferreira e Castro. Também concluída a construção do adro e escadaria, empreitada contratada por Maia Brito em 1777, e cujas obras prosseguiram praticamente até 1790. Neste ano, definitivamente concluído em sua parte arquitetônica com sua entrada vedada por portões de ferro, já rebocado e caiado, o adro do Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos ganharia, a partir de 1796, os Passos da Paixão e os Profetas, obras de Aleijadinho que compõem o mais esplêndido conjunto da arte barroca mundial.
 

 

É curioso o fato de, apesar do adro concluído, não ter sido pela obra dos profetas e sim pelas imagens dos Passos que Aleijadinho iniciou seu trabalho em Congonhas. Em 1796, os Passos da Paixão eram apenas um projeto, constante de uma petição dirigida em 1794 ao bispo de Mariana, requerendo a necessária autorização para sua construção. É interessante frisar que o aludido projeto incluía, na época, duas séries de capelas: Os Passos da Paixão, na parte fronteira do templo, e os passos da Ressurreição, na parte posterior, a exemplo do Santuário do Bom Jesus do Monte, em Braga, Portugal, de cujo bispado era originário o fundador do Santuário de Congonhas. Entre 1º de agosto de 1796 e 31 de dezembro de 1799, Aleijadinho executa, com a colaboração dos oficiais de seu atelier, as 66 figuras de madeira, em seis capelas que viriam a ser construídas: Ceia, Horto, Prisão, Flagelação e Coroação de Espinhos, Cruz-às-Costas e Crucificação.

 

Passos da Ceia Passos do Horto Passos da Prisão
Passos da Flagelação Passos da Subida ao Calvário Passos da Crucificação

 

 

topo
voltar
linha
CÂMARA MUNICIPAL DE CONGONHAS
Rua Dr. Pacífico Homem Júnior, 82, Centro - Fone: (31) 3731-1840
Why Digital - 2009
Congonhas - Minas Gerais - Brasil
congonhas@camaracongonhas.mg.gov.br